Nas últimas entradas, temos vindo a determinar elipses homológicas de uma dada circunferência para homologias definidas pelo seu centro O, eixo e e reta limite l. Para o fazer temos determinado
  1. o polo P da reta limite na polaridade induzida pela circunferência que se transforma pela homologia no centro P' da elipse homológica;
  2. para determinar esse polo da reta l, temos tomado dois dos pontos desta - L1 e L2 - tais que a polar de cada um deles interseta a circunferência nos pontos de tangência das tangentes tiradas pelo outro, de modo a obtermos um quadrilátero circunscrito de diagonais a intersetar-se em P (polo de l); no caso: a polar de L1 é AB que passa por L2 e a polar de L2 é CD que passa por L1 e, por isso, AB e CD são conjugados já que AB contém o polo de CD e CD contém o polo de AB ;
  3. as homólogas de AL1 e BL1 são retas paralelas (já que o homólogo de L1 é um ponto impróprio) entre si e paralelas a C'D' que é homóloga de CD também a passar por L1; do mesmo modo são paralelas as homólogas de CL2 e de DL2 e A'B';
  4. assim o quadrilátero circunscrito à circunferência tem por homólogo um paralelogramo (a negro) de centro P' e o par de retas A'B' e C'D' são diâmetros (passam pelo centro), conjugadas porque cada uma delas contém o polo da outra (pontos impróprios de OL2 e de OL1, respetivamente).
Mas nessas construções anteriores, os diâmetros conjugados determinados não eram eixos de simetria da elipse. Nesta construção, trataremos de determinar diâmetros conjugados perpendiculares, isto é, determinar os eixos de simetria da elipse e o retângulo circunscrito à elipse.
Como os diâmetros têm as direções de OL1 e de OL2, se quisermos obter os eixos de simetria da elipse devemos tomar os pontos de tal forma que L1OL2 seja um triângulo retângulo em O, isto é, inscrito numa circunferência de diâmetro L1L2 que passa por O.
Para determinar a circunferência de centro em O com diâmetro sobre l, determinamos o seu centro N sobre l e a mediatriz de uma sua corda que passe por O. O outro extremo da corda O1 pode ser determinado sobre OK e a perpendicular da tangente à circunferência de centro K tirada por O no seu ponto de tangência T. Desta maneira, obtemos uma circunferência (a tracejado) de centro N que passa por O, interseta l em L1 e L2 e tal que a polar de N pela polaridade induzida pela circunferência de centro K é a mesma que a polar de K pela polaridade induzida pela circunferência de centro N que passa por O, o que garante que dois pontos diametralmente opostos de uma delas são conjugados pela polaridade induzida pela outra. No caso, fica garantido que os pontos L1 e L2 são conjugados um do outro relativamente à circunferência de centro K de que a elipse será homológica.

Por favor habilite Java para uma construção interativa (com Cinderella).
Nesta construção, A'B' e C'D' são, além de diâmetros conjugados, eixos de simetria da elipse.

F. I. Asensi, Geometria Descriptiva Superior y Aplicada. Editorial Dosssat, S.A. Madrid:1980